quarta-feira, 25 de maio de 2011

100 milhões de Bíblias produzidas pela SBB



Líderes cristãos confirmam presença na grande Festa da Bíblia

Personalidades e lideranças cristãs de diversas igrejas do país já confirmaram presença na festa em reverência à marca histórica de 100 milhões de Bíblias produzidas pela SBB. Com programação especial, a grande celebração acontecerá no dia 10 de junho, a partir das 18h30, no Ginásio Poliesportivo José Corrêa, em Barueri (SP). São esperadas mais de cinco mil pessoas.

Já confirmaram participação os representantes máximos de importantes denominações do país. Entre eles, o presidente da Igreja Presbiteriana do Brasil, Rev. Roberto Brasileiro Silva; o diretor executivo da Convenção Batista Brasileira, Pr. Sócrates Oliveira; o presidente da Igreja Metodista, Bispo João Carlos Lopes; o presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Pr. Nestor Paulo Friedrich; o presidente da União das Igrejas Evangélicas Congregacionais do Brasil (UIECB), Pr. Oswaldo Lopes dos Santos; e o presidente da Igreja Evangélica Luterana do Brasil, Rev. Egon Kopereck. Também estarão presentes o pastor José Wellington, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, e o bispo e senador Marcelo Crivella, da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

“Todas as igrejas e lideranças recebem com grande alegria a informação dessa celebração. É, de fato, uma grande sementeira que deve ser festejada e agradecida para Deus”, afirma Erní Seibert, secretário de Comunicação e Ação Social da SBB e coordenador do evento.
Programação

A programação da festa dos “100 milhões de Bíblias” será especial. Haverá momentos de louvor, testemunhos, vídeos, leitura bíblica e oração. Subirão ao palco o grupo Arautos do Rei e os cantores Asaph Borba e Rachel Novaes. Outros músicos também estarão presentes. “Todos se sentem honrados em participar desse momento especial de gratidão a Deus”, ressalta Seibert.

Fonte:  Sociedade Bíblica do Brasil - SBB

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Lampião VS Orlando Boyer


                        


HISTÓRIAS QUE MARCAM OS 100 ANOS DO MOVIMENTO PENTECOSTAL NO BRASIL

A vida de Orlando Boyer, tal como a do apóstolo Paulo, ocorreu perigo inúmeras vezes, tendo, até, de pagar um resgate de 236$000 (duzentos e trinta seis mil contos de réis) para que Lampião, o rei do cangaço, que então implantava terror nas caatingas do Nordeste, libertasse Virgilio Schmidt e sua esposa, missionários que trabalhavam com ele. Lampião achou que a quantia oferecida por Boyer era pequena, exigia cinco contos de réis, mas Boyer falou do amor de Cristo ao cangaceiro, que não lhe fez mal algum, libertou os missionários e os deixou seguir em paz, lhes restituído os 236$000 e mais 109$000 (cento e nove conto de réis) do próprio bolso para ajudar nas despesas. Assim, com certeza o Senhor honrou a bravura desse grande homem de Deus. Que com desapego á própria vida enfrentou com denodo os ataques de Satanás, de homens e feras nos sertões do nosso Nordeste brasileiro.

Fontes

Jornal Mensageiro da Paz 1090, 2ª quinzena de Abril de 1978, pág.5




quarta-feira, 11 de maio de 2011

"SOMOS A ASSEMBLEIA DE DEUS DE ONTÉM, HOJE E SEMPRE" ENTREVISTA COM O PASTOR JOSÉ WELLINGTON BEZERRA DA COSTA


Pastor José Wellington Bezerra da Costa

O pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) e da Assembleia de Deus, Ministério do Belém (SP), costuma afirmar que continua hoje com o mesmo fervor que tinha em seu coração quando começou a servir ao Senhor Jesus, a diferença é que agora com muito mais experiência. Afinal, são 76 anos de vida, dos quais 69 de fé em Jesus e de Assembleia de Deus, e 57 como obreiro, sendo 49 só como pastor da AD.

Líder do órgão máximo da denominação no país no ano do seu centenário, e com anos de experiência à frente da AD, pastor José Wellington reflete sobre o passado, o presente e o futuro da AD, e seus principais desafios no século 21, e fala da alegria que foi participar da 6ª edição do Congresso Mundial das Assembleias de Deus, que foi realizado de 6 a 9 de fevereiro em Chennai, Índia. Segundo ele, essa foi uma das melhores edições do evento. O Congresso deste ano reuniu cerca de 10 mil assembleianos de 70 nações e teve como tema “Avante! No favor de Deus”. O objetivo do Congresso é manter e celebrar a fraternidade mundial da denominação e estabelecer objetivos conjuntos para os próximos anos.

Pastor Wellington relata a sua experiência entre os irmãos indianos, o tratamento dispensado aos convidados, o perfil da igreja em território indiano e ainda informações sobre os preparativos das comemorações do Centenário das ADs no Brasil.
Obreiro O senhor esteve recentemente no Congresso Mundial das Assembleias de Deus na Índia. Como foi o evento deste ano? O que o senhor destacaria de mais positivo?

Em primeiro lugar, nós fomos recebidos de uma forma muito carinhosa. Os indianos são um povo com um coração nobre, receptivo, amoroso. A forma como eles nos receberam nos cativou inteiramente. Se esse povo nos tratou tão bem na parte social, imagine a igreja local. Também participamos de cultos maravilhosos. O presidente da Convenção da Assembleia de Deus na Índia, o pastor David Mohan, é um homem de Deus. Ele é líder de uma igreja bonita, grande e avivada. Enfim, tivemos um trabalho maravilhoso. Com relação à organização, eu tenho participado de vários Congressos Mundiais da AD, mas esse foi o mais organizado de que já participei. No que diz respeito à organização, dou nota 10 aos irmãos da Índia. E a liturgia deles se assemelha muito com a dos brasileiros. O que eu posso dizer? Eu voltei muito feliz. Outra alegria é que, pela primeira vez, tivemos um brasileiro como um dos preletores do Congresso Mundial da AD. O pastor Joel Freire, líder da Convenção Fraternal das Assembleias de Deus Brasileiras nos Estados Unidos (Confradeb-EUA), foi um dos ministrantes na grande reunião de terça-feira à noite. Foi uma celebração muito bonita.

Obreiro - O que mais chamou a sua atenção na Assembleia de Deus daquele país?

A impressão que eu trouxe daqueles dias é de uma igreja muito amável, e que está trabalhando com denodo a fim de realizar a obra de Deus. Como as reuniões eram de caráter mundial, nos deparamos com uma amálgama de vários povos. Na verdade, o maior número era de indianos, mas pelas suas vestimentas não conseguíamos distinguir os naturais dos estrangeiros, ou seja, quais eram indianos nativos e quais eram do Paquistão ou da Malásia. Mas, eu chamo a atenção para o comportamento desse povo, uma postura excelente. Eu voltei maravilhado com o momento do culto, com a maneira como as pessoas se comportaram diante de Deus. Eu posso afirmar que foi algo muito bom.

Obreiro - Qual o ponto mais positivo do evento para o senhor?

Como na Índia ainda existem alguns Estados em que há muita repressão ao cristianismo, a realização desse Congresso deixou para todo o país uma mensagem evidente do poder do Evangelho. Como a igreja que existe na Índia é relativamente grande, tudo o que faz tem naturalmente um grande alcance e, de fato, a igreja

indiana deixou uma mensagem do Evangelho de Cristo que mostra para todo o povo que o Evangelho é superior a toda aquela idolatria em território nacional.

Obreiro - A Assembleia Geral Ordinária da CGADB em Cuiabá será a AGO do Centenário. Qual a sua expectativa para esse conclave e para os temas que serão debatidos ali?

Eu estou naturalmente orando e certo que vamos realizar com sucesso mais um período convencional. Vamos colocar em pauta assuntos que considero muito importantes, principalmente no que diz respeito à doutrina. Temos também o resultado daquela comissão que formamos na Convenção Geral passada, no Espírito Santo, que trata sobre o casamento, e também temos o programa do Centenário. Queremos dar muita evidência a essa programação de junho, pois estamos certos de que a igreja no Brasil está envolvida. Estamos dando apenas os últimos retoques na programação, de maneira que eu creio que toda a igreja no Brasil estará exaltando ao Senhor de forma marcante pelo centenário da nossa igreja.

Creio que as comemorações do Centenário da AD no mês de junho são um momento concedido por Deus para notificar a todo o Brasil a presença de nossa igreja. Eu, que pertenço à geração passada, lembro-me que a nossa igreja, por ser pequena e também perseguida, era mantida quase no anonimato. Hoje, porém, pela graça de Deus, a denominação tem visibilidade devido à sua expansão, projeção social e uma grande parcela de membros universitários, profissionais liberais. Essa comemoração vai também notificar ainda mais a existência e o conteúdo da denominação.

Obreiro - O senhor acredita que a AGO de Cuiabá possa ser também um período de reflexão sobre o Centenário da igreja para os cerca de 2,5 mil ministros que estarão ali presentes?

Nós faremos todo o possível para que isso aconteça, e este é o desejo do meu coração. Como nesse período não vamos ter eleição, então teremos muito tempo para uma reflexão mais profunda do trabalho do Senhor. Eu acredito que o Senhor Deus vai nos dirigir para que levemos o nosso plenário a um momento de reflexão, porque é muito apropriado para isso acontecer. Depois de 100 anos de existência, esse é um momento importante para todos os obreiros, embora não tenhamos um número tão elevado para a AGO em Cuiabá, mas é uma chance que Deus está nos concedendo.

Obreiro - Olhando para a Assembleia de Deus hoje e para o seu passado e o seu futuro, o que é preciso melhorar ou resgatar na nossa denominação para que possa enfrentar com êxito os desafios do século 21?

Eu acredito que a Assembleia de Deus na qual aceitei a Cristo como meu salvador há 69 anos passados não pode estar diferente hoje. É verdade que houve mudanças na sociedade atual, porém a modernidade e o avanço tecnológicos devem ser utilizados por nós para o bem e a edificação da Igreja. No contexto doutrinário, temos todo o empenho de manter a Igreja dentro dos parâmetros das Sagradas Escrituras. É verdade que somos constrangidos a reconhecer que em algumas cidades há igrejas que estão um pouco diferentes com relação a alguns costumes que não são próprios da Assembleia de Deus, e é por isso que o tema desta Convenção Geral de abril é A Doutrina e o Comportamento da Igreja para este momento. Desejo convocar os pastores para que todos estejam empenhados no ensino da Palavra de Deus e do comportamento da Igreja que o Senhor tirou do mundo, purificando-a com o Seu sangue a fim de levá-la para o Céu. Não podemos perder esse alvo. Somos a Assembleia de Deus de ontem, hoje e a do futuro. Não se pode mudar a identidade da Igreja do Senhor.

Obreiro - Como estão os preparativos para a Conferência Pentecostal na região Sudeste em novembro?

Estamos empenhados na construção de nosso novo templo. Temos muito a fazer, portanto trabalhamos diuturnamente. Com relação à organização, estamos trabalhando naturalmente na preparação do povo de todas as faixas etárias da igreja, desde as crianças, passando pela mocidade e pelo Círculo de Oração, a Orquestra, o Coral e os obreiros. Estamos envolvidos nesse trabalho, e esperamos ter uma grande festa.
Obreiro Que palavra o senhor deixa para os obreiros assembleianos de todo o país por ocasião do Centenário das Assembleias de Deus no brasil?

Eu quero dizer aos meus companheiros que a existência da Assembleia de Deus é uma indelével prova do poder de Deus derramado em nossos corações no Brasil, e que não podemos prescindir dessa operação miraculosa de Deus em Seu povo neste país. Temos que valorizar isso, pois este é o tempo que Deus colocou em nossas mãos para dar ênfase não somente no que diz respeito à parte social, porém muito mais à parte espiritual. Não podemos nos esquecer da doutrina dos apóstolos, da comunhão, do partir do pão, e das orações.

Fonte: Revista Manual do Obreiro

CPAD - Casa Publicadora das Assembleias de Deus