terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

UMA PALAVRA AO PREGADOR





Por Valdemir Pires Moreira

 
O pregador que busca agradar a Deus não pode ao mesmo tempo ser o que anela pelos aplausos deste mundo. Muito menos amar os confortos terrenos, e ser dependente deles.

A vida do pregador é marcada pelas aflições. Paulo escrevendo a Timóteo exorta-o a suportar durezas (2 Tm 4.5). O pregador, que em seu ministério não surge dificuldades, si constitui em um ministério fraco.

É frequente em nossos dias pregadores que procuram uma igreja perfeita, sem problemas. São obreiros que não possuem coragem de enfrentar as desigualdades, injustiças, incompreensões que existem em todas as denominações.

É uma mentira a ideia de que o ministério pode ser ao mesmo tempo, eficaz e sem problemas. Ouvi certa vez a seguinte frase:

Quando o homem procura agradar ao homem, ele desagrada a Deus. E quando o homem procura agradar a Deus, ele desagrada ao homem.

Basta que tomemos uma atitude de agradar a Deus, em vez do homem para que o nosso ministério seja colocado à prova.

A Paz do Senhor e um abraço.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

ESTIVE EM UM CULTO DE AVIVAMENTO



Por Valdemir Pires Moreira

Estive no culto de avivamento da amada igreja AD congregação cigana, e por meio desse artigo gostaria de expressar o meu desapontamento com a atitude de um “obreiro”, Que a meu ver não passa de um “menino espiritual”. E que não tem reverência para com a Palavra de Deus, e pensa que corinhos sem sentidos podem fazer com que a presença do Espírito Santo aconteça.

Antes, quero parabenizar a atitude do Dirigente daquela congregação pela a iniciativa do evento, pois precisamos estar ligados com esse tema: avivamento espiritual. O culto foi uma benção, a congregação recebeu a presença dos dirigentes das congregações da AD do Padre Julio Maria (Pb. Cristiano Aquino), da AD da Nova Cigana (Dc. Jorge Luiz), da AD do Beira Rio (Francisco Nascimento) e alguns irmãos da AD sede. A pregação da Palavra de Deus ficou na responsabilidade do Diácono Artur Filho (sede) que ministrou uma mensagem edificante sobre a presença de Deus, baseada em Êxodo capítulo 33.

O meu desapontamento aconteceu quando o “obreiro” (que parece que tem aversão a ministração da Palavra de Deus) depois de ter presenciado algumas saudações ministradas pelos dirigentes presentes, que fizeram uso da Palavra de Deus. Ao receber a oportunidade exclamou: “irmãos vamos quebrar esse gelo”. E começou a entoar “corinhos de fogo”. A Palavra de Deus havia sido ministrada, e agora ele pensa que é seus “corinhos” que vão fazer com que o povo “glorifiquem” a Deus! Será que ele pensa que culto espiritual é aquele onde todos ficam gritando e rodopiando no meio da igreja?

São esses tipos de “obreiros” que propagam no seio da igreja um evangelho empirista, isso é, a doutrina segundo o qual todo conhecimento provém unicamente da experiência, limitando-se ao que pode ser captado do mundo externo, pelos sentidos, em outras palavras é o evangelho que prioriza os sinais, revelações e experiências fantasiosas, e não a Palavra de Deus. Esses obreiros ignoram o fato de que o Diabo e seus agentes também realizam prodígios para enganar (2 Co 11.13-15). Alguns defensores desse evangelho têm mandado o povo guardar a Bíblia e “mergulhar de cabeça” nas revelações “divinas”, ou é de cabeça nos “corinhos de fogo?”

Agradeço a Deus pela oportunidade que Ele nos concedeu naquela noite, pois sentimos a presença do Espírito Santo do começo ao fim do culto.